"UMA MENTE EXPANDIDA PELO CONHECIMENTO JAMAIS RETORNA AO SEU TAMANHO ORIGINAL"

"UMA MENTE EXPANDIDA PELO CONHECIMENTO JAMAIS RETORNA AO SEU TAMANHO ORIGINAL"

domingo, 28 de outubro de 2012

O BOICOTE AO BARÃO DE MAUÁ

Eis a história de um dos maiores brasileiros que já existiu, Irineu Evangelista de Souza, o Barão de Mauá, também conhecido como Visconde de Mauá, notável empresário, industrial, banqueiro, político e diplomata brasileiro, um símbolo dos empreendedores do país no século XIX, deu o “azar” de nascer aqui em terras tupiniquins, seu grande sonho era tornar o Brasil uma potência mundial.

Contexto histórico:

No século XIX, o Brasil era uma porção de terra, extremamente atrasado, exclusivamente agrário, escravocrata, onde as indústrias eram proibidas, para se evitar o contrabando. Esse cenário começa a mudar com a fuga da coroa portuguesa das presas de Napoleão, em 1808.
Bloqueio continental Napoleônico
O país à conta gotas inicia um desenvolvimento, com o segundo reinado de Dom Pedro II, ainda estávamos estagnados, parados no tempo, vivendo somente da agricultura.
Cinco anos depois da vinda de Dom João, nasce em Arroio Grande (Rio Grande do Sul) em 28 de dezembro de 1813, Irineu Evangelista de Souza, o qual começa a trabalhar ainda criança aos 9 anos, depois que seu pai foi assassinado, sua mãe, foi obrigada a se casar, seguiu a ordem do novo marido e enviou Irineu para viver com seu tio marinheiro, no Rio de Janeiro.

 Aos vinte e três anos, começa a ter sucesso, mostrando seu apetite e vocação para negócios, pelo seu destaque é convidado a integrar a maçonaria, que lhe abriria muitas portas.
Na Inglaterra, em 1840, aos 27 anos, teve os primeiros contatos com as grandes mudanças técnicas que ocorriam na Europa. Isto incluía estabelecimentos de fundição de ferro, fábricas e grandes lojas.
Irineu queria seguir o modelo de desenvolvimento inglês, onde se priorizava a industrialização.

Iniciando então o ousado empreendimento de construir os estaleiros da Companhia Ponta da Areia, fundou a indústria naval brasileira (1846), em Niterói, e, em um ano, já tinha a maior indústria do país, empregando mais de mil operários e produzindo navios, caldeiras para máquinas a vapor, engenhos de açúcar, guindastes, prensas, armas e tubos para encanamentos de água. A partir de então, dividiu-se entre as atividades de industrial e banqueiro.
Em 1851 Irineu encabeçou um dos movimentos mais interessantes do império, que lhe provocaria as maiores dores de cabeças. Em parceria com outros empresários, ressuscita o Banco do Brasil com a proposta de oferecer juros baixos para todos que pudessem comprovar o crédito.

Recebeu o título de Barão no ano de 1854 e Visconde de Mauá em 1874.
O Banco do Brasil original faliu por obra do digníssimo avô de D. Pedro II que, num golpe de dar inveja aos piores congressistas, levou todo o dinheiro do banco quando retornou à Portugal, em 1819.
DOM JOÃO VI                     DOM PEDRO I
Entre seus maiores empreendimentos estão:
  • A construção da primeira ferrovia brasileira, construída no Estado do Rio de Janeiro, ganhou o nome de Estrada de Ferro Mauá;
  • Fundação da Companhia de Iluminação a Gás do Rio de Janeiro;
  • Fundação da Companhia de Navegação a Vapor do Amazonas;
  • Deputado Federal pela província do Rio Grande do Sul com mandato entre os anos de 1856 e 1875;
  • Inaugurou o trecho inicial da União e Indústria, primeira rodovia pavimentada do país, entre Petrópolis e Juiz de Fora (1854) e realizou o assentamento do cabo submarino (1874).

Chegou a ser dono de um patrimônio equivalente a 20% do PIB brasileiro, diziam que no Brasil existia o Imperador e o Rei, numa alusão a D. Pedro II e Mauá, respectivamente.

Proprietário de pelo menos 24 empresas, com interesses não apenas no Brasil, mas na Inglaterra, na França, na Argentina, no Uruguai, no Paraguai e no Chile, o Barão de Mauá negociou com presidentes, ministros, deputados, senadores, traficantes de escravos, banqueiros, juízes, advogados e mercadores de todas as ordens.

Seu sucesso, combinado com sua convicção forte contra a escravidão e seu sonho de tornar o país industrializado, incomodava muita gente, pois a elite agrária, com base escravocrata, começou a conspirar para ver ruir esse processo de industrialização e a ascensão de Mauá, e manter o status quo, também os ingleses o viam como um poderosíssimo rival.
 Seu estaleiro Ponta da Areia foi sabotado, num incêndio criminoso, e ardeu em chamas, sua linha de crédito para novas indústrias foram negadas pelo governo.

Dom Pedro II, foi manipulado pela elite agrária, e  tornou Irineu persona non grata no Império, e o  boicotou em diversos setores.
DOM PEDRO II
Em 1875, após anos de ataques, a situação se complica, ainda tinha uma fortuna a receber dos sócios ingleses, sendo que estes corromperam os juízes brasileiros, e deram o calote com amparo judicial. O Barão de Mauá declara moratória e começa a liquidar todas suas empresas e bens pessoais para pagar suas dívidas, homem honrado, não queria deixar ninguém no prejuízo.

Ao invés de sair por aí esbravejando contra o Imperador, ou contra o mundo, mesmo com razão, Irineu preferiu retirar-se à sua casa em Petrópolis, quita suas dívidas e recomeça como comerciante, faz fortuna novamente, não como outrora, mas o suficiente para ter um final de vida tranquila.
Morreu em 21 de outubro de 1889, três semanas antes do seu império também vir a falecer, com a proclamação da República.

Como supra citei, Mauá deu o azar de nascer aqui, num país que não mudou tanto assim do Império para cá, sendo sempre atrasado relação as potencias, onde a cultura da corrupção, do levar vantagem em tudo, e com o famoso jeitinho, que nos dá uma imagem pejorativa lá fora, estão enraizadas em nossa história...
Mauá ousou fazer do Brasil uma potencia, más isso incomodava a muitos nativos e estrangeiros, aos quais interessava o país ser essa bagunça, terra de ninguém, contrastes e abismossociais, e tal como Amaral Gurgel, ambos empreendedores brilhantes, sonharam com um país que não podia ser, e foram boicotados, mostrando que os séculos se passaram e os interesses escusos que impedem nosso desenvolvimento continuam....
O imperialismo Inglês deu lugar ao estadunidense, só trocaram as moscas...

"O melhor programa econômico de governo é não atrapalhar aqueles que produzem, investem, poupam, empregam, trabalham e consomem" – Barão Mauá
 

5 comentários:

  1. puta meu!!!gostei da historia desse cara !!foi um guerreiro !! sacaniaram ele ... e foda !

    ResponderExcluir
  2. Lixo de artigo, faz parecer que o imperador era um tirano atrasado! Sendo que era o oposto, não se deixem levar apenas por isso e pesquisem!

    ResponderExcluir
  3. Meus respeitos ao grande homem , e um furo do Grande Imperador , choquei-me

    ResponderExcluir
  4. De fato tanto Dom Pedro quanto Barão de Mauá foram grandes homens.Se ambos trabalhassem em parceria seriamos uma potencia,pois eles de fato tentaram prosperar nossa terra.Alan de Sousa

    ResponderExcluir
  5. A corrupção faz do nosso povo pouco conhecedores pois falta dinheiro para educação portanto,a ignorância e o medo da pobreza alimenta a riqueza dos que tiram da nossa mesa o pão suado e sofrido,provido pelo pobre marido que acorda cedo ignorando o medo simplesmente pelo desejo de trazer o sustento para sua esposa e filhos.Alan Soutoo de Souza Indinação contra a corrupção principalmente política deste país maravilhoso refém destes criminosos no colarinho branco filhos da puta.

    ResponderExcluir