"UMA MENTE EXPANDIDA PELO CONHECIMENTO JAMAIS RETORNA AO SEU TAMANHO ORIGINAL"

"UMA MENTE EXPANDIDA PELO CONHECIMENTO JAMAIS RETORNA AO SEU TAMANHO ORIGINAL"

sábado, 8 de fevereiro de 2014

A SERVIDÃO MODERNA


Para sustentar os famosos avanços tecnológicos, a maravilha da chamada globalização, que teoricamente traria um substancial aumento na qualidade de vida das pessoas, temos um paradoxo em nome da modernidade em que vivemos, perdemos a noção de direitos, de tempo, de valores e também sobre o que viria a ser uma boa qualidade de vida, a quem exatamente toda essa modernidade atinge e a quem ela beneficia?

Vivemos em tempos de contradições, sabemos cada vez mais sobre benefícios de uma boa alimentação, temos abundância de alimentos, acesso infinito a diversos tipos de mídia de comunicação, encurtamos as distâncias entre os continentes, entre os países, entre as cidades, entre as pessoas, sabemos dos benefícios de uma vida não sedentária, de esportes, do lazer, o conforto e a facilidade das novas tecnologias más....


SÓ OS SUPERMERCADOS BRASILEIROS JOGAM FORAM 13 MILHÕES DE TONELADAS DE ALIMENTOS POR ANO
Ao mesmo tempo nos alimentamos cada vez pior, comidas enlatadas, excesso de condimentos, alimentos com baixo valor nutritivo, com toda essa comunicação está se perdendo o contato “olho no olho”, dada a o ritmo frenético de nossas vidas modernas, as exigências sobre acelerar a produção, temos a percepção de que os anos estão “voando”, nossas refeições levam alguns minutos somente, queremos ganhar tempo, tempo para que exatamente não sabemos
 O sedentarismo, a obesidade, também em contradição com a fome que atinge milhões de pessoas, a escassez de alimentos, não só em lugares distantes confins da África, más sim em cidades ricas, estados ricos...Pra onde vai nosso mundo?
 
Há algumas décadas a conscientização política, mesmo em regiões rurais, fazia com que o povo ao menor sinal de desrespeito a seus direitos, ameaça de sua liberdade, escassez de alimentos, despertasse um sentimento de revolta, de levante as injustiças...
 
Eis que atualmente, parece que se perdeu esse senso, estamos diante de legiões de escravos, que não se deram conta da sua condição, ou preferem não enxergar a verdade, e isso dificulta, e muito, liberta-los, pois, não se pode libertar quem não sabe que é escravo (MITO CAVERNA), ou pior aquele que venera suas correntes e seu algoz.
 Ao contrário dos escravos da antiguidade, dos servos da idade média, ou dos primeiros operários das primeiras revoluções industriais, os escravos modernos deixam-se conduzir pelos interesses da classe dominante, das elites, aristocracias, plutocracias, teocracias...O lema atual é OBEDECER, PRODUZIR E CONSUMIR.
  
A riqueza que hoje se produz também se contrapõe a miséria dos explorados que sustentam uma minoria dominante, pesquisas apontam que menos de 1% da população mundial detém mais de 40% da riqueza global.
A ganância de poucos para que se produza sempre mais e mais, acaba por transformar o mundo numa grande fábrica, que produz para poucos consumirem.
DEZ EMPRESAS CONTROLAM QUASE TODO O CONSUMO MUNDIAL
O mais impressionante nesse bizarro contexto, é a passividade dos povos, da classe exploradas, dos escravos modernos, como exemplo maior é o ambiente onde moram as massas de trabalhadores, assemelham-se a prisões, cavernas, jaulas, cubículos onde residem com suas famílias, mas diferentemente de prisioneiros e escravos, o explorando ainda tem que pagar por sua jaula.

Mais especificamente no Brasil, o país dos inversos, das contradições, dos extremos, todo esses argumentos supra citados, vem somados por um crescente processo de banalização da educação, alienação política, frente a engodos, uma espécie moderna da política do pão e circo romano, temos por aqui: carnaval, futebol e novela (programas de TV em geral).
 
Nos 21 anos de ditadura militar, esse processo foi se construindo, pois de uma sociedade (mesmo que em uma minoria alfabetizada) com consciência política, escola pública de qualidade, era muito perigoso para o regime de exceção que vigorava, eis que a figura do professor, até então com status elevado, foi se desfazendo, seu salário não acompanhando a inflação, e suas condições de trabalho sem a devida estrutura.
 
E mesmo com a redemocratização, quem assumiu o poder percebeu que um povo alienado é mais servil, mais conformado, e altamente manipulável...Não só para interesses nacionais, bem como de nações como os EUA.
 
 Ao mesmo tempo com a massificação das mídias, é difundido que só há felicidade no consumo, adquirir produtos, o consumismo nos faz querer ser o que não somos, comprar o que não precisamos, para impressionar a quem não conhecemos, e tentarmos ser o que não somos...você é o que você tem, o que você veste, um mundo de aparecias.
 
Também nos foi transmitido valores errôneos, os brasileiros na sua maioria, conhecem mais de futebol do que de seus próprios direitos constitucionais, sabem tudo da novela, do reality show, más não exigem seus direitos num supermercado, num banco, numa delegacia, ou no próprio estádio de futebol, onde são tratados como gado, e mesmo assim veneram suas correntes...
Na revolução francesa, a fagulha que acendeu todo o levante do dia 14 de julho de 1789, foi o aumento do produto principal da alimentação francesa, o pão.
 
No período conhecido como Inconfidência Mineira os brasileiros que encontravam ouro deviam pagar o quinto, ou seja, vinte por cento de todo ouro encontrado acabava nos cofres portugueses.
 
Atualmente no Brasil, trabalhamos em média cinco meses do ano somente para pagar os impostos, que são em média 50%, 30% a mais do que os portugueses quando da exploração do ouro no período colonial...e ninguém se rebela...nada acontece.
 O pior problema nem são os impostos, e sim o retorno que temos para com o que foi pago, além disso temos que pagar tudo em dobro, pois os serviços públicos são precários, ai vem escola particular, plano de saúde, segurança, etc.
 
Somada a essa exploração, ainda temos que compactuar com os exorbitantes lucros dos grandes empresários, quer seja no setor automobilístico, agrário, bancário, dos importados, construção civil, onde o mesmo produto fabricado por aqui, e exportado, ainda assim, lá fora é vendido muito mais barato do que pro mercado nacional...




Toda essa exploração, a condição análoga à escravidão, há algumas décadas, certamente já teria ocorrido uma revolta, uma revolução, uma guerra civil, más devido aos anos e anos de alienação, de inversão de valores, estamos passivos admirando e louvando nossas correntes, quer sejam políticas, quer sejam religiosas...
 
 Depois do exposto fica a grande dúvida:

Trabalhamos para viver ou vivemos para trabalhar?
 
Somos livres escolhemos nossos governantes ou na verdade somos escravos, e tanto faz um ditador, um rei, um presidente, a direita, a esquerda, pois sempre serviremos a um senhor, e nada nem ninguém conseguirá mudar nossa sociedade mercantilista capitalista?




6 comentários:

  1. Ótimo trabalho, mas 200 milhões dividindo pra cada brasileiro será 1 mil para cada um, e não 1 milhão!

    Gostei muito da postagem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade, 200 milhões de reais para 200 milhões de pessoas é só 1 real para cada.

      Excluir
  2. Na verdade, 200 milhões de reais para 200 milhões de pessoas é só 1 real para cada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. voces estão certos, já corrigi o erro, abraços...

      Excluir
  3. Bem legal o poste . A maioria dos seres humanos, estão presos aos seus limites perceptivos .Poderíamos até dizer que os serem não pensão, são pensados.Aceitamos nossas crenças, códigos de conduta e forma de agir como se foce algo normal habitual

    ResponderExcluir
  4. A FOTO DO CAZUZA NÃO É O CAZUZA...MAS O RENATO RUSSO..kkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir